GUIMARÃES | Exposição: Design do Produto a Norte

flyer

Primeiro as boas notícias: a entrada é gratuita, o edifício do Instituto do Design de Guimarães é um dos edifícios mais cool da cidade, e serve perfeitamente como desculpa para tomar café no vizinho Bar da Ramada.

As más notícias – pelo menos para quem como eu esperava sentir um ‘wow mas-que-íncrivel!’ – alguns produtos expostos não são de todo novidade para os mais atentos à atualidade, e a exposição é bastante pequena para o expectado com todo o marketing envolvido.

Decidi ir à exposição enquanto conduzia para o escritório e seguia atrás de um TUG (autocarro da cadeia Transportes Urbanos de Guimarães) onde a pubilicidade gritava para ser vista. Verde e cobrindo toda a traseira do autocarro. Lembro-me de registar as datas na memória e o slogan para investigar na web. Assim o fiz, mal pousei a ponta da sandália dentro do escritório.

De meia dúzia de janelas abertas no browser e com café na secretária, concluí para mim e com os botões que me quiseram ouvir que uma exposição que pretende sensibilizar a utilização de tecnologia e materiais inovadores em produtos de uso primário, de forma ecologicamente consciente, através do trabalho de designers da Universidade do Minho e de marcas bem portuguesas e nortenhas, é uma exposição que merece ser vista. Ficou decidido. Se o sol se mantivesse, ia convencer o Pi a caminhar pela cidade no feriado de 5 de Outubro e a ir lá um saltinho – assim como quem não quer a coisa.

Na visita à exposição encontrei aquilo que realmente é descrito no site do Instituto de Design de Guimarães.

“Áreas de aplicação muito distintas e que, entre outras, abrangem: mobiliário; iluminação; peças sanitárias; torneiras; objetos de decoração; botijas de gás e vitrinas de refrigeração comercial.”

As peças que mais me agradaram pela forma foram as peças de mobiliário. As peças que mais me desiludiram, apenas porque tecnologicamente não são já uma novidade pelo menos para mim, foram as botijas de gás e vitrinas de refrigeração comercial. As peças que mais me surpreendaram foram as peças sanitárias.

Picture1.png

Vale a pena ir, se calhar não com expetativas muito altas como as minhas, mas vale a pena ir. Em exposição até dia 10 deste mês.

 

Imagem promocional da exposição: site do Instituto de Design de Guimarães.

Imagens da exposição: imagens de própria autoria.

BEAUTÉ | Chanel Neapolis: New City

imagem_promoccional.PNG

Facto sobre mim: estudei e vivi em Nápoles durante seis meses num período de Erasmus no terceiro ano da faculdade.

Facto sobre Chanel: a nova coleção de makeUp primavera/verão ’18 foi inspirada em Nápoles.

Facto sobre Nápoles: recebeu-me a mim de forma graciosa há cinco anos e recebeu de forma elegante o lançamento desta nova linha Chanel há 10 dias.

neapolis.png

Nápoles vive para sempre no coração de todos aqueles que um dia a tomaram como sua.

Nápoles é barulhenta, é confusa, é suja. Nápoles é ultra multicultural, é máfia e é mercado alternativo. Nápoles é metro com grafitti, é semáforo ignorado e é polícia descontraída. Nápoles é pagamento de taxas, é pagamento de impostos, e é pagamento de subornos.

Mas Nápoles é colorida, é mexida, e é vivida. Nápoles é edifício antigo com pátio central, é elevador de grade com porta pequenina, e é vizinhança que cuida e berra da janela para pedir sal. Nápoles é jardim com mar,  é futebol com paixão, é religião com crença. Nápoles é três vezes Nápoles, existem duas cidades subterradas debaixo da cidade romana. Nápoles é a frittatine, é a pizza de Julia Roberts em Pray Love Eat, e é comer em Casa della Nona. Nápoles é bolinhas de sabão na rua, é o Polichinelo pendurado nas varandas, é o melhor gelado do mundo. Nápoles é caos, é malagueta picante e é nunca estarmos sozinhos. Nápoles é um pôr-de-sol dourado, é sentir verão, o ano todo. Nápoles é a inspiração para a coleção de makeUp Primavera/Verão 2018 da Chanel, e percebesse porquê. Cores vivas, vibrantes, sem faltar o vermelho paixão. Vernizes que marcam uma posição, sombrinhas statement e batões provacadores.

Por este lado estamos muito contentes. Demais até, para quem jurou que ia entrar em poupanças.

A responsável pela minha futura falência é napolitana, chama-se Lucia Pica, e foi a primeira mulher a assumir o cargo de diretora criativa de makeUP na Chanel em 2015. Pimbas!

lucia_finale.png

A linha de makeUp Neapolis: New City tem todos os astros alinhados e chega às lojas em Janeiro. Todo um novo alento para se aguentar o Inverno.

 

Imagem promocional da campanha: site oficial da Chanel.

Imagens do lançamento em Nápoles e de Lucia: instagram search with #neapolischanel e #luciapica.

DINNER PLANS | Rota das Tapas

lAST

Qual foi a melhor desculpa para sair à rua para jantar até dia 8 deste mês? A quarta edição da rotas das tapas. E que edição!

Antes de mais, breve contexto: a rota das tapas é um evento de gastronomia a acontecer em simultâneo em quatro cidades: Faro, Lisboa, Porto e Braga. Esta foi a quarta edição e não será, com toda a certeza, a última.

É uma iniciativa patrocinada pela cerveja Estrella Damn, e a ideia é comer tapas deliciosas acompanhadas com uma cerveja por apenas 3€.

Para quem gosta de carimbos, existia um passaporte que o provador de tapas podia ir carimbando conforme cada restaurante visitado.

Para quem gosta de fotografia e de uma bela competição, existia a concurso uma viagem a Barcelona para as dez melhores fotografias que incluíssem a tapa e a cerveja.

Para quem apenas gosta de sair para provar comida boa e comer coisas diferentes, existiam 97 restaurantes para visitar.

A viver bem cá no norte, o que aproveitei foram as tapas preparadas pelos 19 restaurantes cheios de pinta em Braga. Sim, estamos de dieta mas isso é coisinha para não importar nada. Não tive oportunidade de experimentar a tapa disponível em cada um dos restaurantes mas deixo um resumo dos que visitei.

Did you know the best excuse ever to go out for dinner until October 8? The fourth edition of ‘tapas road’. And what an edition!

First of all, to establish a context: ‘tapas route’ is gastronomy event that takes place in four cities, at the same time: Faro, Lisboa, Porto and Braga. This was the fourth edition and won’t be for sure the last.

It is an initiative sponsored by the Estrella Damn beer, and the main idea was to eat delicious tapas while you drink Estrella Damn beer and for just 3 euros.

For those who like stamps, there was a ‘passport’ that tasters could stamp in each place where they had eaten.

For those who like photography, and a good competition, there was a contest for the best ten photos with a tapa and the Estrella Damn beer included in the frame, and the award was a trip to Barcelona.

For those who just like to go out to taste good food and eat different things, there were 97 different restaurants to visit.

Living in the north, I took advantage of the tapas prepared by the nineteen really cool restaurants in Braga. Yes, we are on diet since forever but it wasn’t important in this situation.  I didn’t taste all of them, unfortunately, but I let my opinion about each place where I had eaten.

 

1. Tapas, Copos e Outras Cenas

Picture1.png

Arrisco-me a dizer que pode muito bem estar no top três da melhor tapa que a rota tinha para oferecer. Tinha tudo de bom: desde o espaço, o atendimento e a comida. A tapa deste espaço de paredes com mensagens em cortiça e de candeeiros pendurados de forma descontraída é capaz de nos fazer sentir tentados a repetir a dose. Vinha servida em latinha de atum, era crocante, e em cada dentada de legumes e peixe escorria um molho incrível que deixava um rasto de picante na boca. D-E-L-I-C-I-O-S-O!

I would venture to say that it may be easier in the top three of the best tapa this route had to offer. It had everything good: from space to service and food. This place with cork messages and lightly hanging lamps could make us feel tempted to repeat. It came in a can of tuna, it was crunchy, and every bite of vegetables and fish with an incredible sauce left a spicy taste in the mouth. D-E-L-I-C-I-O-U-S!

 

2. Le Italiane Caffe Bistro

Picture5.png

Entrou injustamente na competição. O restaurante é giro, mas os outros são mais. O restaurante é simpático, mas os outros têm mais carisma. A tapa é boa, mas não passa de omolete fria. 

This place entered into the competition unfairly. The restaurant is nice, but the others are more. The restaurant is friendly, but the others have more charisma. The tapa was good, but it was a just cold omelette.

 

3. O Arco

Picture2.png

É uma casa portuguesa, com certeza. No meu TOP 3, sem papas na língua. Um tasquinho típico, daquele que até têm luzes de teto corridas de cor branca, e esplanada de metal. Dura e fria. Mas com as toalhas mais típicas de sempre, que nos recorda bem onde estamos. A tapa, essa coisinha maravilhosa e banhada a queijo gratinado, é um folhado em massa filo crocante, tão pouco simétrico que nos faz sentir que o fizemos nós próprios na cozinha lá de casa isto porque nada do que cozinho sai esticamente apresentável, com um sabor incrível. Bom. Muito bom. Mais? Por favor.

It’s a Portuguese house, for sure. The place is a typical Portuguese tavern, with white long overhead lights, metal chairs and tables for sitting outside. And yet, with the cutest and typical tableclothS ever, that reminds us so well where we are. The tapa, in my TOP 3, this wonderful little dish served with cheese au gratin, is a crunchy and not symmetrical snack, that it makes us feel that we made it ourselves in the kitchen back home because nothing of what I cook is especially presentable, with an incredible taste. Good. Really good. More? Please.

 

4. Pregaria da Sé

Picture7.png

Era uma aposta ganha. Toda a gente gosta de hambúrgueres baby, mais que não seja de admirá-los. E esta tapa era exatamente isso, um reconfortante e saboroso mini hambúrguer em pão do caco, com bife de perú, numa pregaria/hamburgueria que dispensa apresentações.

O mais engraçado nesta tapa era o nome: Tapa Gru. Tenho um colega de trabalho (já mais para o amigo do que para o colega) que de manhã está sempre mal-disposto, depois melhora ao longo do dia, mas é não definitivamente um morning person ainda para piorar é informático. Comecei desde o início a chamar-lhe ‘Gru, o mal-disposto’, e agora no escritório todos o tratam assim. E foi precisamente com ele que fui comer esta tapa, e ele, mesmo a saborear a tapa, resmungou. Gru.

It was a winning bet. Everyone likes baby burgers, at least everyone likes to admire them. And this snack was just that, a comforting and tasty mini hamburger on ‘caco bread’, with turkey steak, in a burger house that no needs introduction.

The funniest thing about this tapa was the name: Tapa Gru. I have a colleague, friend of mine, who is always in bad mood every morning, and just get better along the day and for worst he is a computer engineer and we all know how they can be weird, but it is definitely not a morning person. I started from the beginning to call him ‘Gru’ from Despicable Me movie, and now in the office, everyone treats him like that. And it was precisely with him that I went to eat this snack, and he grunted, even savouring the snack. Gru.

 

5. Restaurante Diana

Picture4.png

O espaço é bonito, bem posicionado na cidade, numa esquina de quarteirão favorável. A tapa, para mim, foi a pior. A apresentação é até fiel ao prometido, mas o conteúdo e o sabor ficou aquém. Na descrição da tapa descrimina a composição como: “Atum, camarão e cogumelos shitake”. Segundo o Pi o atum ganhou a guerra ao camarão e comeu-o e por isso é que apenas existia atum, e os cogumelos encolheram com a temperatura da tapa – gelada, à temperatura de frigorífico. Ainda assim foi bom, porque me ri muito. Em defesa do espaço, eram 22.30h e as expectativas estavam altas. Talvez demasiado altas.

The restaurant is beautiful, in a nice street just right in a favourable block corner. The tapa, for me, was the worst. The presentation was an exact copy of the promise, but the composition and the taste were not admissible. In the description of the tapa, the ingredients enumerated were: “Tuna, shrimp and shitake mushrooms”. According to Pi, the tuna won the war against the shrimp and then ate him and that’s why there was the only tuna in the plate, and the mushrooms shrank with the low temperature that the tapa was served – fridge temperature. It was still good anyway because I laughed a lot. And, in defence of the place, it was 10.30pm and expectations were high. Maybe too high.

 

6. SETRA

Picture8.png

Foi a tosta mista mais deliciosa e minúscula que comi. Mas é sempre um prazer estar no SETRA. 

It was the most delicious and tiny cheese and ham toast I ever had eaten. But it’s always a pleasure to be in SETRA.

 

7. Boutique dos Leitões

Picture3.png

Feita na hora, servida quentinha, e muito bom. Um folhado de leitão, que nada tem para correr mal. A não ser que se esqueçam de colocar o leitão lá dentro. O molho de leitão? I-N-C-R-Í-V-E-L! (Lamento não ter foto da tapa, mas estava demasiado entretida numa mesa cheia de amigos a ouvir piadas secas, e quando fui servidacomi e não fotografeiainda me estou em fase de adaptação de blogger, claramente!)

Made fresh, served warm, and with a good flavour. A piglet puff pastry, which has nothing to go wrong. Unless they forget to put the piglet inside. The piglet sauce? I-N-C-R-E-D-I-B-L-E! (I’m sorry I did not get a picture of the dish, but I was too busy at a table full of friends listening to stupid jokes, and when I was served I just ate and I didn’t photograph – I’m still in the process of adapting to be a blogger, clearly!)

 

8. AQUA

Picture1

Espacinho pequenino, de gente simpática. Espacinho acolhedor, de gente com bom gosto. Definitivamente no meu top 3, e esta tapa não convenceu no cartaz. Tenho a admitir que sou meia esquisita com carnes (não-podem-ser-muito-escuras-nem-ter-nervos-nem-ter-gorduras-nem-ter-coisa-nenhuma-e-quase-não-ser-carne), e na imagem do roteiro parecia muito escura. Fui lá para fazer a vontade ao Pi, e ainda bem que fui. A tapa era feita de uma carne deliciosa e macia, que se desfazia na boca, bem temperada e acompanhada. Vou voltar lá. Hoje. Para jantar. Fiquei com vontade.

Small and cosy place, with nice and finest people. Definitely in my top 3, and this tapa didn’t convince when I looked in the poster. I have to admit that I am a little weird with meat (not-too-dark-nor-having-nerves-nor-having-fat-nor-having-nothing-and-almost-not-be-a-piece-of-meat), and the poster image looked very dark. I went there just because Pi really wanted, and I’m glad I went. The tapa was made of a delicious and soft meat, which melted in the mouth, well-seasoned and accompanied. I’m going back there. Today. To dinner. I felt like it.

 

9. Palatu Taperia

Picture6.png

Ao tentarmos imaginar aqueles restaurantes típicos de países mediterrâneos, em cidades onde as pessoas falam muito alto nos restaurantes, e gesticulam muito, e fazem piada dos e com os clientes, mas que ainda assim tem um quê de glamouroso e de chamativo, estamos a imaginar o Palatu Taperia. E nada combina melhor com eles, que uma tapa com um sabor intenso a queijo de cabra com tomate. Reconfortante, e muito boa.

When we try to imagine these typical restaurants in Mediterranean countries, in cities where people speak very loudly and gesticulate a lot, and the bartenders make fun of (and with) customers and, they still can be a glamorous and flashy place, we are imagining the Palatu Taperia. And nothing fits better with them, than a tapa with an intense taste of goat cheese with tomato. Comforting, and very good.

SATURDAY NIGHT | John Legend

legend-dl-tour.jpg

John, last night was… wait for it… LEGENDary!

Que me perdoem a facilidade da construção da piada, do cliché máximo de juntar o nome do músico com uma das mais míticas expressões para uma geração que se tornou adulta a assitir a episódios de How I Met Your Mother, mas ele entrou pelo Meo Arena todo confiançudo, atuou durante aproximadamente duas horas, e deixou-nos assim: com pele de galinha. Cada um deles. Pelos. Levantados.

Acordar hoje, na capital, é acordar de coração cheio. E eu gosto de corações cheios. De boa música. De boa conversa de espetáculo. De memórias boas. De ontem.

Como é que esta incrível sensação ainda melhora? Arrastei dois amigos para o concerto não propriamente admiradores do tipo de trabalho que o músico produz e eles gostaram tanto que agora eu sou um máximo e até direito a dancinha de festejo tenho enquanto me pagam o pequeno-almoço! OH YEAH!

John, last night was… wait for it… LEGENDary!

Forgive me for the maximum cliché of joining the musician’s name with one of the most mythical expressions for a generation that became adult to watch episodes of How I Met Your Mother, but he entered through the Meo Arena with extreme self-confidence attitude, he acted during almost two hours, and left us like this: with chicken’ skin. Each one of them. Body hairs. Lifted.

Waking up today, in the capital, is to wake up with a full heart. And I like full hearts. Full of good music. Full of good talk. Full of good memories. Full of yesterday.

How does this incredible sensation still get better? I dragged two friends to the concert not exactly admirers of the kind of work that the musician produces and they liked it so much that now I’m incredible and I can, for a right, do a stupid winning dance while they pay my super breakfast! OH YEAH!

FIRST POST

1.png

3 de Outubro. Ano novo, projeto novo.

Há quem goste do dia 1 de Janeiro, há quem goste de Setembro. Eu gosto do dia 3 de Outubro. Mandem vir as uvas passas, mandem abrir o champagne, mandem colocar Celebration de Kool and The Gang no gira-discos e não se preocupem com os balões que eu já os pedi.

Que comece hoje aqui uma coisa boa, até porque as coisas boas merecem ser partilhadas. Dizem eles.

October 3. New year, new project.

Some of us appreciate the first of January, and some of us choose September for new beginnings. I prefer October 3. Can someone order dried grapes and champagne? Can someone put Celebration song of Kool and The Gang on record-player? And don’t worry about the balloons that I’ve already ordered.

Maybe something good is about to start today, and the good things need to be shared. They say.